Thursday, September 21, 2006

ESFINGE - A Saga do Leão Coroado

(um apólogo)
158 páginas, com ilustrações. Capa em cores.
Preço: R$ 32,00
Peça agora: bezeneto@superig.com.br

Sinopse:

O Homem, procurando o seu lugar de ficar, em
meio ao vasto mundo selvático, depara-se com o Leão. Assustado, ele aponta a sua lança na direção do rei dos animais, como para afugenta-lo ou, quem sabe... enfrentá-lo.
O Leão ruje, mas não sai do seu canto. Não teme a ameaça. Também, não deseja causar medo ao Homem, a quem passou a respeitar e admirar. Fica apenas obser
vando-o compassivamente.
O Homem traja uma veste guerreira, feita da pele da onça pintada e, na mão destra carrega uma lança, pronta para estocar. Não a estoca, porém.
Meio desajeitado, o Leão tenta comunicar-se com aquele que pretendeu irromper em seus domínios:
- Você é a criatura maravilhosa que as estrelas lá do Alto mandam que chamemos de
Homem? – perguntou.
O Homem, porém, não o quis ouvir, ou não entendeu bem a sua pergunta; foi recuando com a sua lança e fugiu mata adentro, indo para bem longe.

O HOMEM NO DESERTO



236 páginas, com ilustrações. Capa em cores.
Preço: C$ 32,00
Peça agora: bezeneto@superig.com.br.


Nos capítulos deste livro podemos encontrar respostas para as inquietantes indagações, se observarmos atentamente o que nos ensinam os mais proficientes mestres do passado e do presente, que tentam decifrar os mistérios da vida. Sua leitura é um convite ao Homem que verdadeiramente aspira obter paz interior. O próprio autor foi buscar no mais subjetivo mundo de seu ser essa paz interior, tendo empreendido grande viagem através do tempo até chegar ao portal de entrada da morada da luz, onde bateu a fim de meditar.
“Na caminhada pelo labirinto da vida, tivemos as mesmas dúvidas que são próprias do ser humano com relação à sua existência. Em muitos momentos, fizemos os mesmos questionamentos naturais a cada um que procura indagar de si mesmo a respeito da origem do Homem e do Universo: quem somos e para onde vamos? O que representamos perante o grande esquema cósmico? Qual será nosso papel nesta vida? Existirá vida após a morte?... E assim por diante” O autor acrescenta: seu livro não é, no entanto, uma obra na qual expõe sua próprias convicções. “Trata-se de mundo governado não por palavras mágicas, tipo “abracadabra”, mas por leis divinas imutáveis; por uma força universal, que consiste de ilimitados poderes”.
O Homem do Deserto é um tema abrangente, que narra a caminhada da humanidade em busca de aperfeiçoamento e progresso; o indivíduo sendo tomado por seus temores, pelas piores adversidades colocadas à sua frente, mas procurando sair vitorioso de todos os desertos, caos e mundos exteriores, para encontrar a paz e a razão de viver em um novo amanhecer para a espiritualidade (O Homem que achou o seu mundo).

Zumbi

(o deus negro dos Palmares)
160 paginas, com ilustrações. Capa em cores.
Preço: C$ 36,00

Sinopse:

O autor remonta em livro a história do Quilombo do Palmares, relevando um fato novo na vida do lendário Zumbi – que é o vinculo deste com os deuses supremos da cultura africana, também cultuado no Brasil nas rodas de candomblé. Os deuses teriam anunciado: um valente guerreiro, destemido e muito astuto, virá ao mundo para comandar ataques armados contra escravizadores, culminando com a liberdade de todos os escravos. A ele caberia engendrar planas eficazes de luta, realizando uma ação vigilante e restauradora – lances de capoeira; o cerco armado,lança e ferro na mão, fazendo rolar cabeças, mas o sangue derramado lavaria a honra da África.
A história de Zumbi é a história do guerreiro mais audaz que, para obter a liberdade tão almejada por seu povo, caminha decidido numa viagem de volta ao começo indo alegremente com todos ao holocausto de suas vidas em busca da ressurreição, entregando-se “nas mãos do Pai”, que está nos céus da África. Ela exclama a liberdade do espírito.
Zumbi foi o nome conferido pela história para compor o quadro lendário da figura do maior líder negro que combateu ao lado de sua gente nas lutas travadas por ações inimigas contra o Quilombo dos Palmares. Sua presença permanece viva, na literatura brasileira e universal; nos enredos de filmes e livros, que contam a sua trajetória de guerreiro, rei e deus a um só tempo, nas formas de lenda e mito. Ele foi um ser dotado de grandes poderes mágicos, fazendo-se aparecer e desaparecer, misteriosamente, sem deixar qualquer vestígio de onde pudesse ser encontrado; utilizando-se de força da natureza para fazer tremer aos seus inimigos.
A morte do povo palmarino, quando da destruição dos quilombos no final do século XVII, poderá não ter sido em vão, pois o deus negro fez despertar o espírito de virilidade, que se alastra intermitente como uma chama que não pode ser apagada da consciência nacional.